Pequenas Delícias XXVI

A Susana não é propriamente uma criança fácil de satisfazer no que diz respeito a comida e a refeições. Sempre foi díficil à mesa, e eu tive uma teoria sobre as crianças que não comiam bem, mas depressa a minha segunda filha derrubou-a. Ela não gosta de quase nada. Durante muitos anos eu dizia que era alimentada a leite e bolachas. Eram efetivamente os únicos alimentos que comia com satisfação e em quantidade, caso contrário não comia praticamente nada.
Às vezes parece que para ela eu assemelho-me a uma péssima cozinheira e pouca coisa é do seu agrado. Para além disso é muito sugestiva e há determinadas coisas que só de pensar no que são, não come. Arroz de pato é um dos casos. Comia e gostava, até perceber que se tratava de pato e que aquela carne correspondia aos animais que ela conhece. Deixou de comer. Hoje estava a afirmar exatamente isso, que dantes gostava de arroz de pato até perceber realmente que era pato. E eu disse-lhe assim: “Então Susana, arroz de pato era arroz de quê? De galinha? Não se via logo que era de pato?”
E responde-me: “Olha, o bacalhau à Zé do Pipo não tem lá o Zé do Pipo, pois não?”

Sobre Regina

Acerca de mim? Sei lá! Tenho dias… Dias bons, dias maus! Momentos. As nossas vidas são feitas de momentos… Este espaço? É meu. Sobre mim. É o meu espelho… Disseram-me que o meu sorriso é o Espelho da minha Alma. E eu concordo.
Esta entrada foi publicada em Pensamentos com as etiquetas . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s